Home » » MARQUINHA DE BIQUINI

MARQUINHA DE BIQUINI

































Isso aconteceu a um tempinho atrás, mas não posso deixar de contá-lo.
Eu estava com quase 15 anos, quando minha irmã se formou no colegial ela ganhou de presente dos meus pais uma viagem pra Europa. E meus pais resolveram aproveitar, agora com todos os filhos fora do colégio, para também ir viajar em uma segunda lua-de-mel, indo de carro para o nordeste. Dessa forma eu ficaria com a casa só pra mim durante os meses de dezembro e janeiro inteiros. Eu também estava sem namorado na época e não resisti à oportunidade que eu tinha de elaborar um pouco mais as minhas "brincadeiras" secretas. Eu gostava apenas de me olhar na frente do espelho usando maiôs, biquínis e calcinha da minha irmã... De vez em quando um batonzinho, um brinquinho de pressão... Na adolescência meus peitinhos deram uma inchada um pouco além do normal que acontece com algumas meninas nesta fase. O que por um lado recheava melhor um sutiã, pelo outro me custava gozações de colegas de escola... Agora sexualmente minhas fantasias eram um pouquinho fora do comum e foram ficando mais atrevidas ao longo dos anos. Como passaria dois meses sem nenhuma possível fiscalização, minutos após meus pais saírem de casa, tomei coragem, corri para o banheiro e realizei uma sessão completa de depilação, ficando com minhas pernas, virilha e bumbum lisinhos, deixando meus pelinhos curtinhos e no estilo moicano. Em seguida vesti um biquinizinho enfiadinho e fui tomar sol na piscina do quintal de casa. Era minha chance de ter marquinhas de biquíni por uns dias. Praticamente não saí de casa nas primeiras duas semanas, passando meus dias de biquíni me bronzeando no sol, e as noites assistindo televisão usando lingerie e dormindo de baby-doll. Já estava com meu corpo bem moreno, destacando o branquinho de uma marquinha em "V" na frente, um triangulo saindo do reguinho subindo pelas costas e as marquinhas da parte de cima deixando meus peitos salientes mais femininos. As marquinhas contrastando com o bronzeado e a pele lisinha criou um efeito interessante e eu estava adorando ficar fazendo poses sensuais na frente do espelho...
Foi num sábado que a campainha tocou inesperadamente, me assustando. Coloquei um roupão e fui atender. Era o vizinho, um garoto de uns 17 anos que disse que estava jogando vôlei com seu primo e a bola caíra no meu quintal. Eu disse que estava tomando sol, mas não vira bola alguma, mas ele insistiu e pediu pra entrar pra procurar. Não tive como recusar e logo estávamos eu de biquíni e roupão, e ele, procurando a bola. Acabamos avistando a bola em cima de uma das arvores. Ele subiu e jogou a bola pra mim, descendo em seguida. Só quando vi sua cara olhando para meus peitos, percebi que o roupão abrira um pouco com o movimento que fiz para agarrar a bola, o suficiente para mostrar um peitinho com o branquinho do biquíni. Envergonhada, fechei rapidamente o roupão, enquanto ele, meio sem ação agradeceu pela bola e rapidamente foi embora. Fiquei sem saber o que fazer, e já estava morrendo de medo do que o garoto iria espalhar, quando logo depois ele tocou a campainha novamente, dizendo que seu primo tinha ido embora e como eu estava sozinha na piscina de casa, resolveu me convidar pra jogar. Sem ter certeza qual era a do garoto agradeci o convite, mas dei a desculpa que estava com um problema no pulso e não podia jogar, preferindo continuar descansando na beira da piscina. O garoto era meio atrevido, e comentando o calor se convidou de maneira insistente para um mergulho. Acabei concordando, e enquanto ele arrancou a camiseta, a bermuda e o tênis e mergulhou de sunga direto na piscina, fiquei sentada na espreguiçadeira sem tirar o roupão, observando. Com ar de gozador o garoto ficou insistindo pra não se incomodar com ele, e que eu podia continuar a fazer o que estava fazendo antes, que ele não queria atrapalhar, eu respondia que estava bem assim. Mas o garoto insistiu tanto que estava calor, como eu podia ficar de roupão naquele sol, e acabou dizendo que ele já havia reparado no meu corpo, que eu não precisava ter vergonha... Tanto insistiu que eu me enfezei e resolvi ver qual era sua reação. Entrei em casa, tirei o roupão e coloquei um biquíni mais enterrado ainda. Quando voltei pra piscina, o garoto pareceu não acreditar e ficou me olhando com ar estupefato. Desfilei um pouco em volta da piscina, fingindo procurar um melhor lugar pra tomar sol. Finalmente me deitei de bruços na espreguiçadeira, parando um pouco de quatro pra acertar o biquíni, enfiando mais um pouquinho, o bumbum virado pra ele. Acho que ele esperava me ver de shorts, mas não de biquíni e naquela posição. Sua insistência anterior em não parar de falar foi substituída pelo silêncio. Sentindo que agora eu controlava melhor a situação, convidei-o a passar bronzeador nas minhas costas. O garoto saiu da água e sentou ao meu lado, com o olhar fixo, e começou a passar o creme nas minhas costas, sem falar nada. Ele passou nos ombros descendo pelas costas e pulando para as pernas. Eu estava de olhos fechados e de bruços e adorando o toque de suas mãos, meu corpo todo arrepiado, sem acreditar que aquilo estava acontecendo, criei coragem e disse: - O bumbum também queima sabia?... Foi o sinal verde pra suas mãos massagearem meu rabinho com o creme...
Ele ficou mais corajoso e roçou um dedo de leve em meu reguinho. Eu suspirei alto, levantei a cabeça, e olhando pra ele me surpreendi ao ver que enquanto uma mão massageava minha bunda, a outra massageava seu pau por dentro da sunga. Era o maior pau que eu já tinha visto. Meio em transe estendi a mão e segurei começando a punhetá-lo, puxando-o para mais perto. Ele ajoelhou em frente à espreguiçadeira, seu membro duro em minhas mãos apontando pra meu rosto. Naquele momento a única coisa que pensei foi "É agora!”, e coloquei sua cabecinha entre meus lábios, começando a chupá-lo. Era a primeira vez de uma longa espera, e eu coloquei toda minha vontade guardada naquela chupetinha, sugando gulosamente. Ele gemia alto, me excitando mais ainda, fodendo minha boca. De vez em quando eu o tirava da boca e, punhetando com as mãos, pedia: -Goza, gatinho, goza ... Ele só gemia alto, até que num espasmo mais forte segurou minha cabeça e despejou seu gozo em minha garganta. Eu bebi todinho seu leite, limpando a cabecinha com a língua, fiquei chupando de leve seu membro semiduro, uma fêmea bronzeada, de biquíni, curtindo seu macho. Eu ainda estava sem controle de tanto tesão, como uma cadela no cio, querendo mais. Ele pareceu perceber, e estendendo a mão, desamarrou meu sutiã. Ajoelhei-me na sua frente, retirando a parte de cima...Ele ficou alguns momentos hipnotizado observando os triangulinhos brancos ao redor de meus biquinhos, contrastando com o corpo bronzeado, para depois cair de boca, chupando forte meus mamilos. Eu perdi completamente o controle e gemia alto, o chamando de gostoso, implorando para ele chupar com vontade. Sua mão começou a apertar minha bunda, enfiando por dentro do biquíni, seu dedo roçando meu buraquinho... Eu perdi toda a noção da realidade, sua boca chupando minhas tetas, e seu dedo começando a me invadir. O garoto já estava duro novamente e me dominava completamente, sussurrando no meu ouvido, pediu que eu virasse. Levantei-me da espreguiçadeira, abaixei o biquíni até o joelho e, me apoiando com as mãos na mesa da piscina, empinei a bundinha olhando pra trás e implorei: - Vem e me come gostoso, me faz sua fêmea. O garoto se aproximou, e segurando em minha cintura, encostou sua cabecinha na minha buceta que essa hora já estava molhaderrema. Estremeci enquanto ele começou a me penetra, me desvirginando. Gemi de dor e ele parou. Paramos um pouco nesta posição, seu cacete a meio caminho dentro de mim, uma de suas mãos em minha cintura e a outra pressionando meus mamilos. Fui relaxando, sentindo o membro entrando aos poucos em mim até finalmente sentir sua virilha pressionando meu bumbum. Soltei-me e comecei a rebolar de leve, jogando o quadril pra trás, gemendo como uma vadiazinha. Ele se empolgou e começou a bombar e gemer: - Rebola, putinha, rebola na minha vara. E eu rebolei com vontade, tão forte que seu membro deu uma escapada. Aproveitei para empurrá-lo carinhosamente para dentro de casa, beijando-o e punhetando-o ao mesmo tempo, enquanto tirava por completo a parte debaixo do biquíni. Deitei-o de barriga pra baixo no sofá da sala, me arrebitei toda esperando por ele, guiei seu cacete de volta para minha xaninha e comecei a rebolar, ñ demorou muito ele saiu de cima de mim e sentou-se ao meu lado e pediu que eu cavalgasse em sua vara, sentei em cima dele e comecei o ritual de cavalgada, subindo e descendo, rebolando. Imaginava sua visão de meu bumbum bronzeado com um triangulo da marquinha,devorando seu pinto... Aumentei o ritmo, delirando com a sensação gostosa da carne me preenchendo fundo, que nunca havia sentido. Era delicioso...Ele gemeu mais forte e sentindo seu liquido quente me invadindo, não resisti e também gozei, forte como nunca antes. Continuei naquela posição, rebolando de levinho. Foi quando novamente a campainha tocou. Levantei rápido com o susto, e coloquei o roupão, mandando o vizinho ir pro meu quarto e esperar. Estremeci quando vi que era um amigo da faculdade que há dias via insistindo para que eu aproveitasse minha casa sem ninguém para dar umas festinhas. Mal abri a porta e ele já foi entrando e começando com a conversa de que não era justo eu ficar sozinha em casa e não chamar os amigos, que devíamos aproveitar pra pelo menos fazer um churrasco na piscina, chamar o pessoal...
Gelei ao ver ele se abaixar e pegar a parte debaixo do biquíni esquecida no chão da sala. Ele começou a se divertir, dizendo que eu não podia fazer aquilo sem os amigos, que ele queria participar da festa também. Então e fiquei imóvel ali sem saber o que dizer Ele desconfiou e falou que então não tinha problema se ele desse uma voltinha pela casa e foi indo para meu quarto.Entrei em pânico e corri atrás, parando na frente da porta. Ele começou a forçar a abertura da porta, enquanto eu tentava impedir desesperadamente, até que ele me venceu, e a porta se abriu comigo caindo no chão e meu roupão se abrindo. O queixo de meu amigo caiu com a cena. Eu no chão de roupão aberto exibindo as marquinhas de biquíni e em pé ao meu lado, o meu vizinho nu assustado: -Olha, me desculpe, não sabia que "ela" tinha namorado... Não havia mais como explicar, a única coisa que balbuciei foi que ele não era meu namorado. Meu amigo estava estarrecido,olhando sem palavras e enquanto eu me levantava,jogou o biquíni pra mim e disse: - Se quiser se vestir... Sem saber o que dizer segurei o biquíni e disse que tinha que buscar a parte de cima lá fora.Eu só queria era sair dali naquele momento. Vesti o biquíni e quando voltei, encontrei os dois sentados na cama conversando, meu amigo me olhou de cima abaixo, surpreso em me ver de biquíni. Comecei a pedir pra ele não espalhar na escola, que faria qualquer coisa que ele quisesse: - Bom, seu vizinho estava me contando como você gosta de pinto e chupa gostoso, mas eu não acreditei...Quem sabe se você me convencer, eu não espalho. Foi minha vez de não acreditar. Meu amigo abriu o zíper colocou seu pinto duro pra fora.Era maior ainda que o do vizinho e eu passei do desespero ao tesão completo em segundos, ajoelhando no meio de suas pernas abocanhei tudinho e comecei a chupar loucamente. O vizinho sentou ao seu lado e puxou minha mão para punhetá-lo. Ele estava duro pela terceira vez. Eu acabara de perder a virgindade e já tinha dois machos pra me divertir! Alternei a chupetinha, chupando um por vez enquanto masturbava o outro, tentando engolir cada vez mais fundo aqueles cacetes gostosos. não resisti à tentação e surpreendi meu amigo levantando e ficando de quatro na cama, arreganhando a bunda empinadinha , pedi que viesse. -Não era pra provar o quanto gosto de pinto? Então me come... Meu vizinho se ajoelhou na minha frente e eu comecei a chupá-lo enquanto começava a sentir meu amigo duro me penetrando. Era demais pra um dia só e eu enlouqueci, jogando os quadris com força pra trás e abocanhando meu vizinho, comecei a rebolar e a fazer um vai-vem com a cabeça. Os dois gemiam, meu amigo mais desbocado, me chamando de gostosa, putinha, cadelinha, vadia e tudo mais. Meu vizinho acelerou seu vaivém na minha boca e no ultimo momento tirou o pau pra fora e gozou na minha cara, caindo sentado na cama. Com o gozo escorrendo pelo meus lábios, comecei a gritar pra meu amigo gozar, chamando ele de macho gostoso, pra me encher de porra, que seu pinto era uma delicia , e aumentei o rebolado, até que num hurro alto ele gozou e eu estremeci e sentido seu jato quente, também gozei, desfalecendo com seu corpo pesando no meu, uma fêmea realizada. Passei as demais semanas antes de meus pais voltarem fodendo como uma puta, às vezes com apenas um deles, às vezes com os dois, sempre com um lingerie ou roupinha diferente para provocá-los...
 
Support : Copyright © 2015. Hot Maduros - All Rights Reserved